Abas e sub Abas

 

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Onde pára o amor...



Depois do que considero uma adolescência, em toda a essência da palavra, surge o adulto escondido e com ele o romance, inevitavelmente, o casamento a 2 de Julho de 1983....
Estava um dia de sol esplendoroso, impregnado de aromas...aromas que nunca me tinha apercebido...completamente rendida, a este dia, em toda a sua plenitude toda eu emanava alegria.
Um vestido em tom pérola...um ramo de rosas, cor de salmão, uma tiara, no cabelo que usava curto na altura com uma simples lágrima e voilá....
O meu pai, todo “inchado”, acompanhou-me ao altar e entregou-me ao que seria o meu marido. Pensei que me sentiria envergonhada ou nervosa, mas não...segura do meu papel, entrei na Igreja........

31 anos depois, onde pára o Amor....
Numa frase simples, a que respondo sempre que me pergunta?
Voltavas a casar comigo?
Sim....





Um casamento é algo que tem que ser feito a dois...o respeito de parte a parte, a ajuda, o equilíbrio, a tolerância, o perdão, a valorização, a dedicação, compreensão e muito principalmente o amor....essência vital para prolongar qualquer união...
Tudo é mais fácil, quando vivemos rumando na mesma direcção....enxugando as ondas que nos vão molhando....
Sim porque nem sempre a maré está calma....há dias de tempestade, mas se houver todos os adjectivos acima descritos, depois da tempestade, vem a bonança, e poderemos usufruir, com mais segurança dos dias soalheiros...
Muito poderia ser dito, e experiência de cada um é uma história...

Aqui vos deixo algumas fotos....e obrigada por partilharem comigo esta felicidade....