Abas e sub Abas

 

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Pelas ruas de Marrocos



Tive a oportunidade passar férias em Marrocos foi muito interessante, para além de andar de “camelo” vi como a cultura e a religião são importantes na evolução do ser humano. Um breve relato deste mundo com dois polos tão diferentes....





                                        



A gastronomia marroquina baseia-se essencialmente no couscous, cozinhado com carne de borrego ou vaca, nas tajines, um guisado em pote de barro de carne ou de peixe (no litoral) e em espetadas de carne (brochettes). Há algumas excelentes sopas, como a harira, um caldo de tomate e coentros ligeiramente picante. Raramente se servem bebidas alcoólicas. As refeições são normalmente acompanhadas de refrigerantes, água ou chá de menta.



Se houver necessidade da intervenção da policia, por mais disparatadas e absurdas as suas atitudes nos pareçam, temos de nos lembrar que “eles têm sempre razão”È um país em que se nota o respeito por tudo e todos, á excepção do código da estrada. Nesta parte, se existir, o código, é aplicado de forma subtil.

Todos têm prioridade, os carros os animais as pessoas...os motoristas só conseguem a prioridade metendo a cabeça de fora da janela....è muito interessante....



Ao visitar Marrocos manda a tradição lá que se encontrando um Berber temos que provar roupas árabes. (Foi o ponto alto dia).

O Berber é uma figura, e como todos os marroquinos adora negociar no preço.

Depois de uns bons descontos fechamos negócio.


















È também interessante a forma como vendem as tapeçarias, é um tipo de Marketing, que é bonito mas muito demorado.

Separam-se os homens das mulheres, e primeiro mostram os tapetes, e só no fim se negocia, depois de chamados os maridos. Não negociam com mulheres.



Os mercados são uma confusão, as ruas são muito estreitas, e todas iguais, se nos virarmos já não sabemos de que lado viemos...Marrocos é uma loucura, muitos idiomas, separados e juntos, muito barulho, muita gente. Existem dois tipos de táxi, os petit táxi, carros pequenos (uno, palio) - mais baratos e os táxis grandes, uns carros maiores estilo banheira.

A mulher é um mundo á parte, são catalogadas, para estar em casa...e procriar, de preferência “machos”.Não podem sair sozinhas, e quando o fazem devem levar o rosto tapado. A sua forma de vestir depende da região aonde vivem o estatuto que têm economicamente, a idade e o estado civil. O culto pela beleza e pelo corpo, manifesta-se nas festas e convívios entre famílias, o uso de “ henna “ (pigmento de coloração) quer no cabelo quer no corpo.


E claro não podia vir embora sem uma tatoo de henna....Gostam????